O centro de Miami Beach é a parte mais estreita da ilha, de onde se pode avistar tanto o mar cristalino do oceano Atlântico quanto as águas escuras do canal Indian Creek. Apesar da beleza natural, era uma região menos valorizada, em contraste com os pulsantes norte e sul, repletos de empreendimentos imobiliários. O empresário argentino Alan Faena resolveu reverter a situação criando o Faena District, um pequeno bairro composto por hotel, torre residencial, centro cultural, shopping e prédio garagem, estes três últimos projetados pelo OMA. Trazer arquitetos renomados e criar uma programação cultural são estratégias que Alan já havia utilizado com sucesso na revitalização de Puerto Madero. Anunciado no final de 2013, o complexo de Miami ficou pronto a tempo das feiras de dezembro e promete atrair muitos visitantes para este canto pouco explorado. Bamboo conversou por telefone com Shohei Shigematsu, sócio do OMA nos Estados Unidos, logo após a inauguração do Faena Forum. Confira:

Bamboo O Faena Miami Beach reproduz a estratégia do Faena Buenos Aires?

Shohei Shigematsu Sim. Alan Faena criou um híbrido de ambição comercial e cultural. Ele achou que a fórmula funcionaria também por aqui. Como aconteceu em Buenos Aires, os arquitetos foram orientados para projetar edifícios únicos, quarteirões únicos, um por um. Assim, se reproduz a diversidade típica de um crescimento urbano natural. Não é o que vemos normalmente em Miami, com seus gigantescos condomínios padronizados.

B Por favor, fale sobre os edifícios projetados pelo OMA.

SS São três: Faena Forum, um centro cultural; Faena Bazaar, um shopping; e Faena Parking, um prédio garagem. Todos estão do lado interior do distrito, opostos à Faena House, torre residencial projetada pelo Foster + Partners, de frente para o oceano Atlântico. As atividades são tradicionalmente mais concentrada no lado da praia, mas acho que tivemos sorte na divisão. Este lado é um pouco menos comercial, então tivemos a oportunidade de realmente criar uma nova identidade.

B De todo o complexo, o Faena Forum tem sido o edifício mais comentado pela imprensa internacional. Por favor, fale mais sobre ele.

SS Forum significa praça pública, remete a um domínio público. O nome Faena Forum deriva deste conceito. Nós achamos que era uma boa ideia criar um lugar que abrigasse diferentes expressões de arte. Não só artes visuais, mas também performances, videoinstalações, atividades educacionais. Mais do que um lugar onde a arte é vista – um lugar onde conteúdo de arte é produzido, onde discussões acontecem. Miami está se desenvolvendo cada vez mais como uma cidade viva, sedenta por conteúdo cultural.

B Apesar de esteticamente impactante, o Faena Forum não é um centro cultural de proporções grandiosas.

SS Nós não queríamos ter um edifício enorme e outros dois pequenos. Para reforçar a ideia de bairro, queríamos três edifícios do mesmo tamanho. Mas era preciso bastante espaço interno para o centro cultural, claro, então optamos por ter dois volumes. Essa decisão também foi influenciada pelo fato de se ter vistas muito distintas de cada lado do terreno: o oceano do lado da Collins Ave e o canal do lado da Indian Creek Drive. Então pensamos que seria bom ter formas diferentes de cada lado. Esses dois fatores determinaram a volumetria. Ao combinar um cilindro e um cubo, evidenciamos a diferença das formas geométricas.

B O Faena Forum tem sido comparado com o Guggenheim Museum, em Nova York, de Frank Lloyd Wright. Ele foi a inspiração para o projeto?

SS Nós não copiamos o Guggenheim, mas há uma importante similaridade. O Guggenheim também foi construído num bairro residencial, o que foi determinante para que não fosse tão grande, para que tivesse uma escala mais íntima. É sempre bom ser comparado com algo historicamente bom, mas acreditamos que produzimos uma tipologia arquitetônica contemporânea, diferente de um projeto da década de 1930.

B O que guiou o desenho dos rasgos da fachada?

SS Na verdade, o padrão foi definido por questões estruturais. Não queríamos colunas internas, então decidimos usar a fachada como estrutura. O padrão geométrico que nasceu como forma de sustentar a estrutura acabou nos agradando visualmente. Nos lembrou das palmeiras, comuns em Miami.

B Como os vários edifícios do Faena Distrct se relacionam?

SS Como Alan fez um importante centro artístico em Buenos Aires, nós sabíamos que haveria uma forte ambição cultural para o projeto. Então nós propusemos que a fachada do Faena Forum voltada para a Collins fosse o coração do complexo. Por isso o formato redondo, como o ponto central de todo o bairro. Trabalhamos com a ideia de que todo o complexo era um continente e se expandiu, gerando vários prédios, como a Pangeia. A relação com o hotel, construído em 1947, e com a torre do Foster + Partners era importante, como se todos tivessem se descolado daquele centro. A forma redonda conversa com o estilo modernista de Miami Beach e também possibilita pontos de recuo na fachada. Como se trata de um edifício cultural e público, era bom ter bastante área livre, não precisávamos estar tão perto da rua.